Notícias

Como será o mercado de trabalho a partir do ano que vem


Mudanças no cenário econômico e fatores como a aposentadoria de grande parte da geração dos nascidos entre meados de 1940 e 1960 (os baby boomers), terão impacto direto no mercado de trabalho. É o que garante Dan Schawbel, fundador da consultoria de gestão Millennial Branding e colunista da Forbes.

Com base em pesquisas realizadas por sua empresa e na experiência aquirida no contato com outras companhias, ele elaborou uma lista de  fatores que serão tendência no mundo corporativo a partir do ano que vem. Confira:

 

 

 

 

 

 

Trabalhar como freelancer será um estilo de vida normal

De acordo com Dan Schawbel, só nos Estados Unidos, um terço dos trabalhadores são freelancers, ou seja, não estão ligados formalmente às empresas a que prestam serviço. Segundo ele, os empregadores estão economizando dinheiro contratando freelancers porque não precisam pagar benefícios (como o seguro-saúde que se tornará obrigatório  com o Obamacare). 

Além disso, as companhias também estão procurando contratar especialistas que consigam completar projetos. Isso também significa que mais pessoas passarão a trabalhar de casa ao invés de ficar nos escritórios, o que, consequentemente, economiza capital nas organizações.

 

 

 

 

 

A aposentadoria dos "boomers" causará mudanças demográficas no ambiente de trabalho

Muitos boomers irão se aposentar a  partir do próximo ano. Somente nos Estados Unidos, 18% dos baby boomers podem se aposentar dentro dos próximos cinco anos. Na análise de Schawbel, isso provocará um grande impacto na força de trabalho porque as companhias precisarão desenvolver planos de sucessão.

"Elas terão que treinar a geração X e a geração Y antes que os boomers se aposentem, ou terão grandes problemas. Por outro lado, novas oportunidades serão criadas para as gerações mais jovens que são mais fiéis às suas empresas".

 

 

 

 

 

 

O retorno do investimento em graduação será observado mais de perto

De acordo com Schawbel, as mensalidades dos cursos de graduação não param de crescer e está cada vez mais difícil para os recém-formados conseguirem a independência financeira devido aos estágios que não são remunerados. Só nos Estados Unidos, 21 milhões de pessoas da geração Y ainda vivem com os pais.

Como resposta a isso, as universidades do país estão sendo forçadas a provar o seu valor e uma das opções é pagar pelos estágios. Além disso, segundo Schawbel, muitas delas irão oferecer mais cursos à distância a partir do próximo ano, como forma de reduzir os custos e aumentar a diversidade de opções para os estudantes.

 

 

 

 

 

 

 

 

Os cuidados com a saúde terão grande peso no mercado

Esta previsão diz respeito especialmente ao mercado norte-americano e acontecerão por causa da aprovação da reforma da saúde (chamada de Obamacare) no país, proposta pelo presidente Barack Obama. Grosso modo, a partir do ano que vem, todo cidadão residente nos Estados Unidos estará obrigado a ter um seguro de saúde. Quem não tiver, terá de pagar um imposto. Para as famílias de baixa renda, haverá uma contribuição do governo para ajudar nos gastos.

Segundo o CNNMoney.com, 9 de 14 economistas já disseram que as empresas estão desistindo de contratar no país por causa da reforma, que forçaria as companhias com 50 ou mais funcionáros a fornecer seguro-saúde a partir de 2015. Por aqui, o plano de saúde já é tradicionalmente oferecido como benefício e observado como diferencial, apesar de não ser obrigatório.

 

 

 

 

 

Mais companhias oferecerão programas de bem-estar

Pesquisas revelam que, atualmente, funcionários que fumam custam uma média de U$5.800 por ano às empresas e empregados depressivos provocam uma perda de $23 bilhões a cada ano em diminuição da produtividade.

As corporações já sabem que podem economizar bastante dinheiro e ser mais produtivas com uma equipe saudável. Elas também sabem que pessoas saudáveis também são mais felizes. Por isso, a tendência é que ações que propiciem o bem estar da equipe sejam cada vez mais desenvolvidas no meio corporativo.

 

FONTE: EXAME