Notícias

Ponto facultativo no serviço público enfraquece economia do Estado

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nos primeiros três meses de 2017, o comércio acumulou uma queda de 3% nas vendas, fato que se deve a atual conjuntura Econômica do País. Em Teresina, a situação não é diferente e principalmentecom feriado, seguido por ponto facultativo, como acontecerá esta semana, com o feriado de Corpus Christi, dia 15, e no dia 16 de junho decretado ponto facultativo.

O prefeito municipal de Teresina, Firmino Filho, e o governador do Estado do Piauí, Wellington Dias, decretaram ponto facultativo na sexta a todos os servidores da Administração Pública Municipal Direta e Indireta, em decorrência do feriado de Corpus Christi, que será comemorado nesta quinta-feira, 15.

Segundo o presidente do Sindicato dos Lojistas do Piauí (SINDILOJAS/PI), Tertulino Passos, a determinação reflete de forma negativa na economia do estado. “Com a deliberação do ponto facultativo na sexta-feira, o estado vai perder arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), gerados com as vendas nas diversas atividades comerciais do Piauí, sendo neste ponto a perda maior para o Município de Teresina, pois além de perder 4,50% de repasse sobre a arrecadação do ICMS gerado neste período perderá também os ISS das diversas atividades de prestação de serviços geradas no município ou seja uma perda de 5% do ISS nestes dias de feriadão. Já temos diversos feriados durante o ano e quando somado aos pontos facultativos, temos muitas perdas. Nos dias transformados em ponto facultativo nas repartições públicas, a queda de movimentação nas lojas é de 30%, com redução de 18% nas vendas”, afirma.

O presidente ainda fala sobre a importância dessa arrecadação: “Precisamos salientar sobre a importância do ICMS para o estado e do ISS para o Município, uma vez que, todos recursos angariados com o tributo é revertido em benefícios para a população, servindo  para manter as frotas de ônibus, assim como os hospitais, postos de saúde, entre outros serviços públicos funcionando”, conclui .