Notícias

Brasil deve aumentar sua participação no comércio internacional nos próximos anos

A participação do Brasil no comércio mundial deve aumentar, como prevê o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). De acordo com Herlon Alves Brandão, diretor do Departamento de Estatística e Apoio à Exportação da Secretaria de Comércio Exterior da pasta, em termos de volume, a exportação do país deve crescer 18% em 2017, o dobro da expectativa para o comércio mundial.

Segundo Brandão, o Brasil "continua em um processo de economia com muita incerteza, mas em recuperação”. Ele ressaltou que, até novembro, o país exportou US$ 194 bilhões, quase US$ 10 bilhões a mais que os US$ 185 bilhões de todo o ano passado. Com o auge do preço das commodities, em 2011, o país atingiu o recorde de exportação: US$ 256 bilhões. Desde então, o número cai a cada ano, o que explica a redução de US$ 71 bilhões em 2016. “O preço do petróleo, dos minérios de ferro e dos produtos agrícolas estava baixo”, explicou Brandão.

A alta atual, diferentemente da de 2011, que foi motivada por preços, "foi tanto por volume quanto por preço" e teve influência de commodities, mas também de bens industrializados, ressaltou Brandão. “Quanto às commodities, temos safra recorde.

Brandão também pontuou que a exportação de automóveis “aumentou para toda a América Latina e Estados Unidos”, além da alta de exportações de produtos manufaturados, “muito motivado pelas pequenas empresas, que exportam basicamente esses produtos”.

Embora tenha ressaltado que a taxa de câmbio mais alta – o dólar, que valia R$ 1,67 em 2011, passou a valer R$ 3,20 este ano – seja um fator de estímulo à exportação, Brandão ressaltou que não é o único. Ele lembrou que a queda da demanda interna, observada em 2015 e 2016 por conta da crise econômica, que resultou em redução do Produto Interno Bruto (PIB), também estimulou essa alta. “A demanda externa aquecida em face à demanda interna é um dos fatores que propicia ao empresário aumentar seu interesse no mercado exterior”, disse.

Segundo o diretor do MDIC, hoje, 80% das operações de exportação podem ser feitas pelo Portal Único de Comércio Exterior, que congrega 22 órgãos em um só sistema informatizado. Brandão destacou o interesse do MDIC em expandir o sistema. O Portal Único, segundo o Diretor, está prevista a integração com portais similares da América do Sul. “Queremos fortalecer esses laços”, disse.

A redução da burocracia e ganho de tempo deverão trazer um aumento de 6% a 7% na corrente de comércio e ganhos da ordem de US$ 24 bilhões ao ano, segundo estudos da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

 

Fonte: Correio Braziliense